Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Nélson Veríssimo: “Não vou escamotear, nem passar a banha da cobra. A situação está complicada e difícil”

O treinador do Benfica que teve apenas dois treinos com a equipa antes do clássico no Dragão, perdido (3-1) para o FC Porto, elogiou a forma como os jogadores "dominaram o jogo nos primeiros 30 minutos" e ainda conseguiram "suster muitas ações ofensivas" do adversário. E Nélson Veríssimo falou também da desvantagem de sete pontos para a liderança do campeonato

Tribuna Expresso

Octavio Passos/Getty

Partilhar

A análise ao jogo

"Eu não caí de pára-quedas, tivemos dois treinos com a equipa e os jogadores tiveram muita entrega, uma vontade e um compromisso muito grandes na preparação deste jogo com o FC Porto. Entrámos bem, a dominar o jogo, uns primeiros 30 minutos bons e a criarmos situações de perigo perto da baliza contrária, inclusive uma oportunidade do Roman e, na sequência desse lance, sofremos dois golos de forma consecutiva.

A equipa abanou um pouco, mas, ainda assim, a equipa conseguiu aguentar algum ímpeto da equipa do FC Porto. Ao intervalo, foi pedido aos jogadores para manterem o equilíbrio emocional e os posicionamentos ofensivos que estavam a correr muito bem na primeira parte — e foi-lhes lançado o desafio de fazer o golo nos primeiros 10 minutos da segunda parte. Eles conseguiram com todo o mérito e toda a justiça e, logo a seguir, aconteceu a expulsão.

Foi um revés na nossa estratégia, mas, com menos um jogador, a equipa conseguiu estar ligada ao jogo e até ter uma oportunidade do Gonçalo Ramos, que daria o 2-2. Depois o FC Porto fez o 3-1 e a equipa foi acusando algum desgaste. Obviamente que estamos muito chateados e tristes com o resultado, mas os jogadores tiveram uma entrega total, eles lá dentro estão frustrados e chateados, mas pronto, agora é seguir em frente."

Os golos sofridos de lançamentos laterais

"Sabíamos de antemão que o FC Porto tem essa perspetiva de jogo [marcar rápido as bolas paradas] e os nossos jogadores estavam alertados para isso. Acabámos por sofrer um golo dessa maneira, mas, coletivamente, a equipa conseguiu suster muitas ações ofensivas do FC Porto e criámos oportunidades. Esperávamos levar um resultado daqui, mas agora é olhar para o futuro e o próximo jogo é contra o Paços de Ferreira e a equipa tem muito que andar, que crescer e mostrar."

Benfica a sete pontos da liderança

"Não vou escamotear, nem passar a banha da cobra. A situação está complicada e difícil, a história mostra-nos que desvantagens de sete pontos podem ser superadas. Aquilo que acreditamos piamente é que temos de olhar jogo a jogo e vai ser essa a perspetiva até ao final do campeonato, para reduzir distâncias para os dois rivais que estão à nossa frente."

Como geriu esta semana?

"Duas formas: manter o foco no que era importante, a partir do momento em que surgiu este contexto era estar com a equipa; relativamente à circunstância que me aconteceu [falecimento da mãe], mandar aqui um abraço público a todas as pessoas que, direta ou indiretamente, me mandaram as suas condolências."