Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

“O mister Conceição e a sua exigência foram o ponto de viragem. Comecei a perceber que tinha de ser mais profissional e forte mentalmente”

Luís Rocha, o defesa esquerdo do Cracóvia, da Polónia, que começou como extremo, quis seguir as pisadas do pai, mas, ao contrário deste, conseguiu tornar-se profissional. Confessa que viveu um período em que sofria em silêncio e estava acomodado no Vitória de Guimarães, o clube que onde passou mais anos. A chegada de Sérgio Conceição ao Vitória foi uma espécie de "abre olhos" que o levou a querer mais e a partir além-fronteiras. É sobre as aventuras no estrangeiro, e não só, que falaremos na segunda parte desta entrevista

Alexandra Simões de Abreu

EuroFootball

Partilhar

Nasceu em Famalicão. Filho de quem?
Filho do José Luís Pereira da Rocha, que chegou a ser jogador de futebol não profissional muitos anos. Acho que só jogou um ano como profissional.

Em que clube?
Julgo que no Famalicão. Depois jogou em alguns clubes daqui à volta da cidade, no Joane, no Trofense, que ainda não era profissional. Ele quando era novo trabalhava e jogava ao mesmo tempo. Trabalhou numa empresa de carne animal, fazia entregas para talhos. Agora está reformado.

Quando nasceu o seu pai ainda jogava?
Penso que estava quase a acabar a carreira e jogava numa equipa aqui da zona de Famalicão.

E a sua mãe?
A minha mãe chama-se Rosa Martins Araújo da Rocha, não é natural de Famalicão, é de uma vila aqui perto, Couto de Cambeses, que pertence ao concelho de Barcelos. Ela veio trabalhar para a mesma empresa do meu pai e foi lá que se conheceram. Nos últimos 20 anos ela tem trabalhado como costureira.

Tem irmãos?
Tenho uma irmã mais velha nove anos. Ela também tentou seguir as pisadas do futebol, mas não deu muito certo. Nós somos de Gavião e ela jogava na equipa de uma aldeia ao lado, Mouquim, na altura quem o treinador era o meu pai, Costumamos brincar muito com essa situação, porque nós dizemos que foi o meu pai que lhe cortou as pernas [risos]

Porquê?
Porque tinha gente com mais habilidade do que ela e o meu pai não a punha a jogar e ela costuma brincar muito com isso, que o meu pai é que lhe acabou com a carreira [risos]. Neste momento, trabalha numa fábrica de rissóis em Famalicão.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler