Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

“No Estoril, as palestras do Marco Silva mexiam connosco. Dizia-lhe: 'Ó capitão, tu pareces um poeta'. Aquilo tudo encaixava com suavidade”

Steven Vitória nasceu no Canadá e foi por influência indireta do pai que se apaixonou pelo futebol, em terra onde o hóquei no gelo, que também praticou, é rei. Após uma frustrada primeira experiência no Benfica, acabou por atravessar o Atlântico de vez para representar o FC Porto, ainda na formação. Foi conhecendo o sabor amargo da realidade futebolística em Portugal, através do empréstimo a clubes como o Tourizense, Olhanense e SC Covilhã, antes de chegar à I Liga, com o Estoril Praia. Seguiu-se o regresso ao Benfica, de que falamos na segunda parte da entrevista

Alexandra Simões de Abreu

Ricardo Castelo/Nfactos

Partilhar

Nasceu em Toronto, no Canadá. Como é que foi lá nascer?
Os meus pais, Pedro e Alice, são ambos da ilha Terceira, dos Açores. Emigraram muito novos para Toronto e por coincidência só se conheceram no Canadá, apesar de terem vivido na mesma ilha pequenina [risos]. Mas é algo comum, naquela altura foram muitos portugueses dos Açores para o Canadá. O meu pai trabalhou sempre na construção civil, a minha mãe continuou a escola no Canadá, fez a faculdade e foi trabalhar para o governo no Canadá.

Tem irmãos?
Tenho um irmão mais velho dois anos e meio que se chama Jason. Continua a viver no Canadá. Mas ele, a mulher e o filho, assim como os meus pais, vêm passar este Natal comigo, a minha mulher e os meus dois filhos. Passamos o Natal juntos, o que já não acontece há algum tempo.

Como era em criança?
Muito calmo, no meu cantinho. Gostava muito de desporto.

Qual o primeiro desporto que começou a praticar e com quantos anos?
Hóquei no gelo, o desporto rei no Canadá. Tinha seis anos. Eu e o meu irmão. Mas o meu pai sempre foi fanático por futebol. Recordo-me das festas em casa por causa do futebol, a ouvir os relatos, eu e o meu irmão no meio daquela festa, dos gritos, dos golos, começamos a virar-nos para o futebol; houve um ano em que jogamos hóquei no gelo durante o inverno e futebol no verão.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler